Canoagem - FPC: Mário Santos sublinha "enorme potencial de desenvolvimento" da modalidade

canoagemNuma altura que Portugal se prepara para participar no campeonato europeu, o presidente da federação fez uma estimativa do estado da modalidade a nível nacional, frisando que embora existam 2.500 atletas federados, os praticantes ascendem às “dezenas de milhar”.

No entanto, a falta de infra-estruturas e recursos humanos pode impedir que o crescimento continue, embora Mário Santos também admita que o desenvolvimento deva ser “sustentado”, colocando os objectivos em “quinze por cento por ano, em termos federativos”.

"Em Atenas2004, tivemos um atleta, em Pequim2008, quatro, e em Londres2012, ambicionamos pelo menos sete. Queremos atingir 3.000 federados, mas falo de efectivos competidores. Bastar-nos-ia inscrever uma pequena parte dos muitos milhares que praticam canoagem por lazer para sermos uma das modalidades com mais federados em Portugal. Mas esse é um caminho que jamais seguiremos", sublinhou.

O presidente da FPC lembrou também que a Nelo, empresa de Vila do Conde, e propriedade do antigo campeão nacional Manuel Ramos, é a maior construtora mundial de “kayaks”.

“É mais um motivo para a canoagem ser uma modalidade de referencia no país, pois temos condições impares -- cursos de água e sol -- que trazem cá as grandes potencias da modalidade durante o Inverno", afirmou Mário Santos.

O exemplo da prova Kayak Tour é para Mário Santos uma mostra de como a modalidade tem popularidade em Portugal, mesmo que implicando custos avultados, em relação a muitos desportos.

"A inscrição foi de 150 euros, com direito a ficar com o equipamento. Mesmo sendo um valor alto e estando o mundo em crise, as inscrições esgotaram em menos de uma semana, mesmo sem grande publicidade. No Mondego é habitual haver descidas com mais de 1.000 praticantes. Não há dúvida que a canoagem e desportos náuticos cativam cada vez mais gente", explicou o presidente da federação.

Fonte: Infordesporto 24/06/2009