Confederação do Desporto de Portugal
 
CDP Comunicação e Marketing Notícias Desporto FAndebolP Andebol - Selecções Nacionais: Mats Olsson faz balanço positivo sobre o trabalho desenvolvido

Andebol - Selecções Nacionais: Mats Olsson faz balanço positivo sobre o trabalho desenvolvido

O Coordenador das Selecções Nacionais, Mats Olsson, em entrevista ao site da FPA, faz um balanço do trabalho das Selecções Nacionais e começa por falar sobre a Selecção Nacional A Masculina.


P: Até agora, qual é o balanço do trabalho das selecções nacionais na presente época?
R: Em termos gerais, podemos dizer que, a meio da temporada, está tudo a correr bem em todas as selecções. Nada nos decepcionou, todos estão no caminho planeado – quer em termos de evolução de jogadores, quer de jogos.

P: Analisando o trabalho da Selecção A com mais pormenor...
R: Começando pela selecção A, começámos pelo estágio com a Noruega, em Setembro, seguidos dos jogos particulares com a Eslováquia lá, onde empatamos os dois jogos e logo começámos com os jogos mais sérios – com a Letónia, para a Qualificação para o Campeonato da Europa Áustria 2010. Nos dois jogos conseguimos os 4 pontos, que era o objectivo. Não era uma tarefa tão fácil como se poderia pensar. Ganhámos com bastante contundência na Letónia, por 6, onde a República Checa teve bastantes problemas e, no final, conseguiram ganhar por 3 golos mas tiveram de trabalhar duro para o conseguir Para nós, é importante manter toda a esperança a 100% no que diz respeito ao apuramento para o Europeu de Áustria. Já em Janeiro, participámos no Torneio Internacional de Espanha, que, em termos globais, correu bastante bem e dentro dos parâmetros estabelecidos – porque nunca se pode esquecer que há que diferenciar os jogos oficiais de qualificação dos torneios de preparação. Por exemplo, os jogos com Noruega e Eslováquia foram de preparação, os resultados são secundários e o desenrolar do jogo é o primordial. Claro que queremos sempre ganhar. Com a Letónia, foi o contrário: o primordial era o resultado, secundário foi como jogar.


"TORNEIO INTERNACIONAL DE ESPANHA"

No Torneio Internacional de Espanha, quero dizer que não fizemos 3 jogos mas sim 6 partes de 30 minutos. As duas partes contra a Alemanha foram muito boas, falando de números, estivemos a ganhar o jogo até aos 40 minutos e pouco, mas aparte disto, a forma como jogámos e como enfren támos a A emanha deixou-me muito satisfeito. Contra a Espanha, no segundo dia, realizámos uma primeira parte muito boa também e chegámos ao fim a perder por 5 mas o jogo era o mesmo, muito equilibrado até ao minuto 20 - a perder por 1, empatados – mas cometemos algumas falhas técnicas e a diferença era de 5 golos ao intervalo. Na segunda parte, tivemos um mau início, perdemos várias bolas e a Espanha ampliou esta margem de 5 para 8 golos e o jogo causou-nos muitos danos psicológicos. Por isso, não fiquei contente com estes 30 minutos, lógico que não, mas com os primeiros 30 sim. E no último jogo, com a Argentina, outra equipa já apurada para o Mundial, fizemos uma excelente primeira parte e ao intervalo já estávamos a ganhar por 9 (21-12) e onde realmente demonstrámos a força psicológica reposta depois dos últimos 30 minutos com a Espanha e do resultado, que era demasiado abundante (14 golos). A segunda parte foi normal, posso dizê-lo, mas foi um jogo mais “caótico”, porque a Argentina começou ambém a jogar em 5+1, 4+2 na defesa e começou a ser um jogo um pouco mais anárquico e, também por isso, baixámos um pouco de rendimento. Por tudo isto, reafirmo, no Torneio Internacional de Espanha, fiquei satisfeito com 4 partes das 6. A 2ª parte com a Espanha e a 2ª parte com a Argentina perdemos a concentração. De resto, tudo correu muito bem e dentro da linha que seguimos durante todo o Outono.


P: Agora em Março, recomeçam os jogos da Qualificação para o Campeonato da Europa Áustria 2010.
R: Sim, agora em Março vamos ter dois jogos, nos quais a forma de jogo é secundária e o resultado, primordial. Jogamos primeiro contra a França, em casa. Tenho visto os jogos de França nas Olimpíadas, vi também contra a República Checa e contra Luxemburgo. A selecção francesa está agora mesmo no Mundial a jogar ao mesmo nível que nas Olimpíadas – um nível muito alto, jogando muito bem, muito sério, muito bem concentrado, com uma defesa muito bem colocada e contra-ataque s rapidís imos. Para mim, a França é o candidato nº 1 em termos de jogo para ganhar o Mundial. Jogam melhor que a Croácia, mas a Croácia está em casa e o apoio do público e com a pressão sobre os árbitros não sei se no final a França irá ganhar. Mas logo veremos qual é verdadeiramente a França que vamos ver em Março, porque passaram o que passaram – foram campeões olímpicos, muitos jogadores estão nos clubes a participar na Champions League e ficam muito sobrecarregados de jogos. Quando foram à República Checa, fizeram realmente um mau jogo, com muitos jogadores lesionados, cansados, a República Checa ganhou e fez um bom jogo.


P: Quais são as maiores dificuldades perante a França?
R: Primeiro quero saber que "tipo" de França vamos ver. Neste momento, da forma como está a jogar na Croácia, é a melhor equipa do Mundo e vamos ter muitas dificuldades em ganhar a uma França neste nível. Mas depois do Mundial, agora quase todos os jogadores, 90% dos jogadores da selecção fr ancesa es ão em clubes que estão a participar na Champions League e vão ter 3 ou 4 jornadas da competição e vão voltar, espero, com uma grande carga física para o jogo com Portugal. Acho que podemos ter alguma vantagem nesse sentido. Mas para ganhar à França temos de fazer um jogo do melhor que temos feito, temos de jogar como o fizemos contra a Alemanha, a Espanha e a Argentina, nos nossos melhores momentos. Se juntarmos estas quatro boas partes e jogarmos com as mínimas falhas técnicas possíveis, com uma boa finalização… sim, há possibilidades. Eu tenho a esperança e acredito que podemos conseguir algum ponto contra a França, aqui em casa – esse é o objectivo. Depende de nós mas também depende do estado da França. Por outro lado, sabemos também que a França já perdeu dois pontos e sabe que não pode perder mais, porque seria arriscar ficar de fora. Também não querem correr esse risco e vão estar mais preparados do que contra a República Checa. Além do mais, também o demonstrámos o ano passado uando fomos a França jogar o Torneio Paris – Bercy, perdemos, claro, mas perdemos contra a França com todos os seus titulares. No momento em que começaram a jogar com os suplentes, igualámos o jogo e até ganhámos – o que significa que, quando os melhores não estão, é uma equipa ao nosso alcance.

No que diz respeito ao Luxemburgo, há que levá-los a sério. Perderam todos os jogos mas em termos de jogo, não estão tão mal como se pode pensar. É uma equipa que sabe jogar andebol e todas as selecções que os defrontaram tiveram de trabalhar bem para ganhar o jogo. Mas, com certeza, é nossa obrigação ganhar-lhes no Luxemburgo, não há dúvidas quanto a isto e temos de o fazer.

Em Abril temos um pequeno estágio, enquanto os Juniores A estiverem a disputar a qualificação para o Campeonato do Mundo no Egipto, aproveitamos e juntamos as selecções, também para não haver uma pausa demasiado longa entre estágios. A ideia é, também, possivelmente incorporar algum jogador no vo no gru o de trabalho para começar a trabalhar no nosso sistema de jogo.


"A CHAVE É A REPÚBLICA CHECA"
Já em Junho, temos 4 jogos que esperamos ser decisivos. De qualquer forma, o jogo com França é importante, sim, mas não é decisivo. Se ganharmos, ficamos bem colocados mas não estamos apurados; se perdermos, em teoria não se passa nada, porque a melhor forma para nos apurarmos é ganhar os dois jogos à República Checa. Se perdermos, ficamos bem situados mas estamos quase obrigados a ganhar à República Checa fora. Se perdermos com a França e ganharmos as duas vezes à República Checa, estamos apurados – a chave é a República Checa. Eles também o sabem. Vão ser dois jogos muito interessantes, em Junho, e esperemos chegar ao 2º jogo com a República Checa, em casa, para nos apurar.


P: Que obstáculos vão ser mais difíceis de contornar perante a República Checa?
R: A República Checa é uma equipa que corre muito, que aplica muita velocidade n o jogo, t m jogadores de grande envergadura mas, do meu ponto de vista, é muito parecida com a Alemanha. Têm um 6-0 muito fechado, mas normalmente não temos muitos problemas em conseguir abrir esse tipo de defesas. Pelo que vejo agora, a República Checa está ao nosso alcance. Ao observar o Mundial, agora, Portugal empatou com a Eslováquia, que faz parte dos 12 melhores; a Macedónia, com quem perdemos por 1 em Janeiro, depois de 120 minutos de jogo em que tínhamos a possibilidade e não foi possível, está também entre os 12 melhores; significa que o nosso nível, nesse sentido, não está muito longe de estar entre os 12 melhores do Mundo. Com a Alemanha, perdemos por 5 golos. A República Checa anda pelo mesmo nível. Se tirarmos os quatro ou cinco melhores do Mundo – Dinamarca, França, Croácia, possivelmente também a Polónia, na minha opinião – há um grupo de 15 selecções que estão muito próximas umas das outras. Algumas vezes há resultados com grande diferença, como nós contra a Espanha, m as isso n o se deve à diferença de jogo, mas sim porque, hoje em dia, em jogos internacionais, jogos de muita velocidade, se o nível psicológico baixa nem que seja 10%, podes sofrer 10 golos em 30 minutos facilmente. O que eu quero dizer é que nós, Portugal, pertencemos a este grupo junto com a República Checa, estamos ao mesmo nível. Temos uns 6 meses muito interessantes pela frente e o objectivo até à data está cumprido, tal como o outro objectivo de evoluir em jogo e incorporar jogadores.

Fonte: FPA 30/01/2009

Parceiros Oficiais

Logótipo da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto. Logótipo do Instituto Português do Desporto e Juventude. Logótipo da Câmara Municipal de Oeiras. Logótipo da Câmara Municipal de Oeiras. Logótipo dos Jogos Santa Casa.

Parceiros Comerciais

Logótipo da agência de viagens Cosmos. Logótipo da Sagres. Logótipo da Multicert. Logótipo da MDS.

Parceiros Comunicação

Logótipo da RTP. Logótipo do SAPO Desporto. Logótipo de "A Bola".
Este site utiliza cookies para ajudar a sua experiência de navegação. Ao navegar sem desativar os cookies, estará a concordar com a nossa política de cookies e com os nossos Termos, Condições e Política de Privacidade.