Confederação do Desporto de Portugal
 
CDP Comunicação e Marketing Notícias CDP Geral As verbas destinadas ao desporto são uma ínfima parte do Orçamento de Estado

As verbas destinadas ao desporto são uma ínfima parte do Orçamento de Estado

O último dia do Congresso Nacional de Desporto, que se realizou entre os dias 29 e 30 de abril, no Fórum Lisboa, teve como temas escolhidos a Promoção da ”Marca Portugal”, o “Desporto e o seu Dinheiro” e o “Desporto e suas leis”. O encerramento esteve a cargo de Carlos Paula Cardoso, presidente da CDP e João Paulo Correia, secretário de estado da Juventude e do Desporto.

A abertura do primeiro painel contou com as intervenções de Joaquim Pires, do Turismo de Portugal, Nuno Moura, da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e Paulo Frischknecht, presidente da Fundação do Desporto.

Moderados por Anabela Reis, vice-presidente da CDP, os três oradores reforçaram nas suas intervenções a “importância de Portugal enquanto promotor de eventos”, e que, face a isso, “eram atraídos mais eventos, tais como Final 8, Moto GP entre outros”. Concluíram ainda que a marca Portugal “somos todos nós” e que o desporto, “com o mediatismo e sucesso obtido, desempenha um papel fundamental para levar Portugal mais longe”. Salientaram-se os 14 centros de alto rendimento existentes em Portugal, cujos resultados desportivos alavancaram o nome de Portugal a nível olímpico.

Ainda dentro do tema, foi deixada a intenção de lançar-se um fórum que combine o Desporto e o Turismo, e a ideia acabou por ser confirmada por Carlos Paula Cardoso, presidente da CDP, que deu de imediato o seu aval.

O segundo painel do dia avaliou o financiamento do desporto, sob a moderação de Pedro Silva, direção da CDP, com Paulo Lourenço, da FPF, Frederico Valarinho, da Federação Portuguesa de Esgrima, e Manuel Pavese Araújo, da Federação Portuguesa de Atividades Subaquáticas no painel de oradores.
Face às intervenções dos oradores, fica claro que “só quando houver mais resultados líquidos dos jogos sociais, o desporto terá mais verbas” e uma vez que o estado não acompanha o início do ano associativo “sem verba estabelecida antecipadamente, não se pode gerir o desporto”.
Em jeito de sugestão para a dependência do estado ser reduzida, sugeriu-se reformular a lei do mecenato, instituir benefícios fiscais a quem investe no desporto e promover a mediatização das modalidades “mais esquecidas” nos canais públicos de rádio e televisão.

A “Casa das Federações” voltou a ser mencionada, numa ótica de “unir esforços em prol de uma “coopetição”, uma cooperação para melhores resultados, com mais sinergia entre as associações, menos custos e mais capacidade de funcionamento.

Em termos fiscais, o desporto continua a ser prejudicado, em comparação a outros sectores equivalente, nomeadamente a nível do IVA e do mecenato desportivo.

Para fechar os painéis, Diogo Nabais, do Comité Olímpico de Portugal, e Fernando Parente, presidente da Associação Portuguesa de Gestão do Desporto (APOGESD) discutiram o direito no Desporto e concluíram que, embora “o estado seja detentor do poder originário, delegando e fiscalizando o seu exercício, prestando apoio”, não podemos “queixar-nos sempre do mesmo”. Sendo que se apelou “a fazer algo diferente para obter resultados diferentes”. Em jeito de conclusão, “é preciso gerir melhor os recursos e remar tudo para o mesmo lado”.

Para partilhar as principais conclusões do Congresso, subiu ao palco Filipa Godinho, que de forma sucinta, deu o mote para a realização de um segundo congresso.

A cerimónia de encerramento esteve a cargo de Carlos Paula Cardoso, presidente da CDP e João Paulo Correia, secretário de estado da Juventude e do Desporto.

Um mês após a sua tomada de posse, João Paulo Correia, reforça, durante a sua intervenção, a “riqueza deste congresso”, no sentido de definir uma estratégia global para o sector do desporto e garante que “um dos grandes objetivos do governo para esta legislatura é dar continuidade à firmação do desporto português no panorama internacional e também aumentar os índices da atividade física e da prática desportiva”.

Fonte: CDP, 01/05/2022

Parceiros Oficiais

Logótipo da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto. Logótipo do Instituto Português do Desporto e Juventude. Logótipo da Câmara Municipal de Oeiras. Logótipo da Câmara Municipal de Oeiras. Logótipo dos Jogos Santa Casa.

Parceiros Comerciais

Logótipo da agência de viagens Cosmos. Logótipo da Sagres. Logótipo da Multicert. Logótipo da MDS.

Parceiros Comunicação

Logótipo da RTP. Logótipo do SAPO Desporto. Logótipo de "A Bola".
Este site utiliza cookies para ajudar a sua experiência de navegação. Ao navegar sem desativar os cookies, estará a concordar com a nossa política de cookies e com os nossos Termos, Condições e Política de Privacidade.